Arquivo de Tag | Número 19

RAINHA DE IJEXÁ

RAINHA DE IJEXÁ

Hoje eu vim cá na cachoeira, ô mãe
Vim beber do teu amor
O teu canto sereno me chamou
Eu vim

Anúncios
Gás

Gás

Talvez um poema lhe saia do peito,
Talvez venha a nós, outrossim, do intestino.
Pra mim, o poema biscoito mais fino
É o tal que se faz, não aquele que é feito.

LOUCURA A DOIS

LOUCURA A DOIS

Pareciam felizes no retrato que decorava o criado-mudo. Talvez tenham sido por algum tempo…

Ápode – Da teoria da imparcialidade

Ápode – Da teoria da imparcialidade

Não faço perguntas ao léu
Por medo dos ditos que ouvi.
Qual sombras sinistras no céu,
Silêncios respondem por si.

O elefante, o balão e eu…

O elefante, o balão e eu…

Aquele elefante fumando cigarro
Cheio de desculpas
Amassando os carros
Com os pés – resolveu partir
Com ele, parte de mim

À Espera de Uma Chamada

À Espera de Uma Chamada

Então reparei na forma com que segurava o celular. A mão arqueada, que o suspendia com absoluta precisão das extremidades, permitindo que apenas um dos cantos tocasse o mármore…

Meu universo numa nódoa de café

Meu universo numa nódoa de café

Enxuguei a mancha de café que deixei cair na agenda de anotações de minhas ideias para futuras historietas, não tanto para preservar a agenda em si, que era uma dessas cadernetas de anotações de espiral, pequena, de custo não ultrapassante os três reais, mas para salvaguardar os pensamentos, ideias e trechos de cotidianidade que eu colecionava na minha passagem pelos hojes da vida.