Betty Vidigal

ESQUINA

ESQUINA

Na esquina, quando o CD caiu, os arquivos escorregaram e se espalharam pelo chão. Nem percebi. Peguei o CD vazio, enfiei na pasta e continuei andando, rápido.

ABISMO

ABISMO

Não te lançaste no abismo
que num dia de tristeza
construíste para ti
e que seria o teu sepulcro.
[…]

HEDONISTA

HEDONISTA

Ele piscou para mim.
Andei mais cinco passos e parei em frente à vitrina de uma loja de jeans. Engoli em seco. Ajeitei a gravata da minha imagem refletida no vidro. Que absurdo. Sanduíche não pisca.
Mas foi como se piscasse. Me chamando.
[…]

READOLESCER

READOLESCER

O tempo gasto nesse aprendizado
acena irrecuperável,
tantalizante.
Como não soube antes?
Como tê-lo sabido?
[…]

NUM PONTO DE ÔNIBUS

NUM PONTO DE ÔNIBUS

Eu poderia dizer apenas isso: o rapaz estava no ponto do ônibus. Usava um terno cinza e um guarda-chuva cinza. O mendigo parou de passar para nos dizer como um profeta manso: que não choveria aquele dia, que nunca mais choveria, porque naquele momento não chovia e o tempo, o tempo, meus senhores, estava irremediavelmente parado (aliás, acho que ele disse: encrencado).
[…]

RETORNO

Eu preferia não ter voltado. Tudo era tão diferente, vinte anos atrás.
Há vinte anos, quando deixei a Terra, ainda havia traços da antiga natureza vigorosa. Mas a Poeira já tinha bem adiantado o seu trabalho de destruição.
Tenho, é claro, saudade de mim. Da jovem biogeneticista certa de que podia salvar o planeta. Pretensiosa e cheia de entusiasmo. Parece que faz tanto tempo. Muito, muito mais que vinte anos.
[…]

MERGULHO

MERGULHO

Desnecessário o grito,
a voz insone,
o rosto aflito.

Somente o mar presenciou teu fim,
e nas areias não deixou escrito
teu testamento.
[…]