Deixe um comentário

RAINHA DE IJEXÁ

 

Hoje eu vim cá na cachoeira, ô mãe
Vim beber do teu amor
O teu canto sereno me chamou
Eu vim

Coração apertado
Aliviado ficou
Quando na beira do rio
Mamãe Oxum me abraçou
Era tão doce o seu canto, ijexá
Tão doce que me entrelaçou

Hoje eu vim cá na cachoeira, ô mãe
Vim beber do teu amor
O teu canto sereno me chamou
Eu vim

Oração ofertada
Santificada voou
Quando na beira do rio
Mamãe Oxum me alcançou
Era uma forma de encanto, ijexá
Que pelas águas lhe chamou

Rainha de Ijexá, agô
Kolofé, motumbá!

 

Letra: Muryel De Zoppa / Música: Arthur Vital

 

Apoie este projeto!

Crowdfunding

Tá na hora de imprimir!

Faça uma doação!

Ganhe recompensas!

Campanha “Caminhos que se abrem

A revista digital superou as nossas expectativas. Então resolvemos assumir um compromisso bem mais sério com os nossos leitores: um sítio com domínio próprio, com design competente e responsivo E… a edição impressa!

Saiba mais aqui.

Anúncios

Sobre Muryel De Zoppa

Muryel De Zoppa é autor do livro "Crônicas, Metáforas e Outros Mamíferos". Corroteirista dos curtas "Arrotos e Soluços", "Bom-Dia" e do longa-metragem "O Herói Hesitante" (em pré-produção), assina os espetáculos "Um Céu Para Dragões" (Grupo Giz de Teatro) e "Liquidados" (em parceria com o escritor Samuel Giacomelli). Publica nos sites Germina, Cronópios e é colunista do Página Cultural.

Seu comentário é bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: