1 comentário

HÁ UMA DOR AQUI

litogravura800x556

Há uma dor aqui.
Tem raízes e dentes
e garras e veneno
mas não tem nome
Camaleoa parece
que some, mas
é questão de cor
de rima pobre e
de quantos cobres
no bolso

Tem dor o canto
a articulação rangente
a coluna retorcida
e nenhuma é a tal.
O que não tem nome não se pronuncia.
Fica nos silêncios.
Nos banais recônditos
e noutros clichês
nos quais se apoia
o drama

Fato é que há.
Tem raízes e dentes
e garras e veneno
e de vez em quando dorme
permitindo o esperneio
para manejo do instinto.

Lástima saber
quando o devaneio
é um placebo e não há remédio
nem lâmina que valha o corte
de dor que estraçalha num susto.

Resta a parcimoniosa cooperação
na ração diária de melancolia
com acomodação nos recônditos
silenciosos do drama secreto — limbo —
fazedor de mártires sem ato louvável
Há um só decreto que a desempodera:
Permanecer inominável.

 

Imagem: sem título, litogravura, 2012, por Iriene Borges
Anúncios

Um comentário em “HÁ UMA DOR AQUI

  1. Bela poesia. Daquelas que faz leitura das vísceras. Eu não diria inominável, mas inimaginável.

    Curtir

Seu comentário é bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: