Deixe um comentário

À Margem Esquerda do Sena

canotiers

Pele traveste cheiros. Mas este que dela exala é digital. Fixou-se.

Debruço-me num Courvoisier, enquanto a tarde arrulha. Vozerio interno, folhas de sombra e luz. Acenando, em mal-podadas bifurcações. Renoir, ah, Renoir, faltou-te alma. Não me contas do hoje, então cala.

Amanhã? Manhã ululante, gargarejarei obviedade.

Voulez vous plus de cognac, Monsieur? Um s’il vous plaît faísca no olhar que se levanta à solicitude. Se há coisa que admiro são almas adestradas.

Corre incongruente água. Ela, à margem esquerda do Sena. Do lado outro, afogo.

 

Imagem: Le Déjeuner au bord de la Rivière – Les Canotiers, óleo sobre tela, 1879, por Pierre-Auguste Renoir
Anúncios

Sobre Jarbas Siebiger

Saga: porto-alegrense. Carma: aquariano. Cor: colorado.

Seu comentário é bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: