5 Comentários

Cicatrizes

Olhos nusele tinha marcas de chumbo em olhos nus de silêncio. pairava seu torpor em nuvens sulfurosas de lembranças a lhe dissecar a mente. pedia alívio em colchetes e parênteses de papoula e beladona. insistia viver, mas doía. queria descanso, paz, queria vazios (e aquele pedaço perdido do universo-solidão). o ruído era sangue. ecoavam-lhe hemorragias. não percebia a eternidade que transfixa tímpanos, a imortalidade de cada toque. a luz era tanta que lhe queimava a lucidez. só lhe faltava compreender que cada janela aberta às pupilas é infinita. e aprender a deixar que a leveza reja o entender. ao acordar talvez conheça o porquê de um novo dia.

Fotografia: Cryin, por João Santos
Anúncios

Sobre Celso Mendes

escritor? não. alguém que quer ver a palavra emergir a apontar imprevisíveis direções. deixá-la crua ou temperá-la, pouco importa a receita ou o formato, importa ver aonde aponta e onde toca. e ser por ela tocado.

5 comentários em “Cicatrizes

  1. Tua palavra esculpe as imagens com uma força e beleza singulares. Sempre um imenso prazer ler-te, meu querido amigo. Beijos

    Curtir

  2. Quanta beleza!! Falta-me palavras para descrever tamanho sentir!!!

    Lindo demais!!^^

    Curtido por 1 pessoa

  3. Celso , querido amigo que saudades de ler as suas poesias!!
    Esta, fiquei tão absorta que me faltou a lucidez . Como a ele!
    Fraterno abraço de saudades !

    Curtido por 1 pessoa

Seu comentário é bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: