Deixe um comentário

Um Copo Que Cai

cachaca955x584

Arduamente, o dia inteiro, labutara sob aquele implacável sol escaldante. Ao cair da noite, voz roufenha, quase afônico, finalmente, uma alma generosa demonstrou compaixão. A reluzente moeda girou no espaço, tilintou na calçada pedregosa, rodou, rodou, acomodando-se, por fim, próximo ao pé direito de Salomão. “Cara. Pé direito. Bons sinais.”, pensou.

— Deus lhe pague. — agradeceu ao transeunte caridoso que já ia longe, imerso em seus próprios problemas.

Salomão correu para o Bar do Juvenal, cabeça-de-porco célebre entre a mendicância. Foi direto ao balcão, seus olhos luziam aquele brilho cinza-opaco.

— Aí, Juvenal! Manda uma dose da especial, aquela de rolha.

— É um real.

— Taí. — falou, depositando a moeda sobre a mesa, o cinza-opaco dos olhos acentuando-se ainda mais.

O dono da birosca recolheu a moeda, retirou com cuidado a bonita garrafa de cima da prateleira, pôs o pequeno copo sobre o balcão, serviu a dose do altamente alcoólico líquido amarelo. Salomão salivava, saboreando o momento. Corpo, alma e espírito imersos na agradável liturgia, o ritual tantas vezes repetido, os movimentos de Juvenal, São Juvenal. Rezou em silêncio: “Pai da Desgraça, Santíssimo Deus Que Habita a Garrafa de Cachaça, dai-me a fuga, ministrai-me o santo elixir do esquecimento, enchei-me do suave e benfazejo torpor. Fazei-me nada, porque nada sou.”

Circunspecto, levou as mãos ao copo. Antes de alcançá-lo, eis que surge um braço longo e nefasto, um cotovelo profano. Atinge o copo, que cai, cai, cai, espatifando-se no chão do boteco. Salomão fita com raiva o dono do braço, um sujeito bem vestido que bebericava uma garrafa de água mineral com gás, certamente um transeunte que ali detivera-se para aplacar a sede.

— Olhe o que você fez!

— Desculpe. Foi sem querer. Eu pago. A bebida e o copo. Quanto é?

— Não quero seu dinheiro! Não quero que pague outra! Nada trará de volta o que se perdeu! A terra absorveu o líquido assim como absorve a carne, o sangue e a malignidade humana. O homem é um ser rude e mau, merece a dor e o sofrimento por toda a eternidade finita e efêmera de sua desprezível existência!

O homem bem vestido virou as costas para Salomão, dirigindo-se ao dono do bar:

— Caramba! Como tem maluco nesse mundo. Quanto é a cachaça, o copo e a água mineral?

Salomão sentiu a ira aumentar, fluidificar-se e percorrer seu corpo, borbulhante, cáustica, ácida, venenosa. Sacou o pequeno e afiado canivete e não titubeou: agarrou os cabelos do homem bem vestido com uma das mãos, puxando violentamente sua cabeça para trás. Com a outra, cortou-lhe o pescoço de um lado a outro. Um semicírculo preciso, uma degola cirúrgica, como quando sacrificava frangos no abatedouro. O homem bem vestido levou as mãos ao pescoço, o sangue esguichando aos borbotões, empapando seus belos trajes, tingindo de rubro sua fina e branca camisa de seda. Caiu pesadamente, ainda constringindo o pescoço, numa última e desesperada tentativa de interromper o fluxo, de agarrar-se à vida. Os olhos arregalados, a escancarada boca silenciosa perguntavam a mesma pergunta: por quê?

Salomão ficou ali, parado, observando os derradeiros estertores do desconhecido prestes a conhecer o desconhecido. “Sujeito de sorte”. O proprietário do bar há muito havia debandado, em busca de um telefone para chamar a polícia, que logo apareceu. Salomão não reagiu à prisão. Foi algemado e conduzido à Delegacia, onde foi interrogado. Expressão serena, imperturbável, olhos fixos nos do Delegado, disse, em tom baixo:

— A justiça prevaleceu. Olho por olho, dente por dente, fluido por fluido. O infiel estouvado profanou o sagrado ritual com sua atitude aparvalhada, ofendeu o Supremo Ser Alcoólico Aquoso Cáustico, regou a terra com a santa beberagem oriunda dos alambiques divinais. O sacrilégio só poderia ser reparado, a ira do Deus Etílico só poderia ser aplacada com o sacrifício do ímpio. Sinto-me honrado porque Ele me escolheu. Tornei-me o braço da justiça divina, o anjo da morte, o precursor do Messias Ébrio. Desenrolei o tapete vermelho, o tapete de sangue, onde Aquele-Que-Tudo-Sabe-E-Tudo-Bebe caminhará trazendo consigo as boas-novas de dor, morte, sofrimento, vômito e paz. Estou feliz. Cumpri minha missão.

O Delegado fitou o escrivão que fitou o Delegado. A sentença veio fluida, imediata, uníssona:

— Preciso tomar uma.

Anúncios

Seu comentário é bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: