1 comentário

Sobre o que fere

brookeshadenWrite hard and clear
 about what hurts
 Ernest Hemingway

a navalha é a mesma e está rubra
escorre o fel de línguas fendidas
de lábios carmins
de olhos vermelhos
caminho sem volta ao inferno
cereja num copo de vinho
cascas de maçã
rosas de Hiroshima

a navalha é a mesma e está bruta
escorre ao léu em raízes perdidas
de um corte no branco a vazar os seus nadas
rasgo radical na lúdica lucidez
cúmulo cinzento no palato plúvio
poda no verde de um verbo
um silêncio gris
o escuro do giz
muros de Berlim

a navalha é a mesma e contém cicuta
escorre no céu de bocas despidas
no frio do fio um fonema letal
tal arma fatal em dentes alvos
mensagem que ecoa em asas pardas
voo subterrâneo num corpo sem pele
viagem sombria no fibrilar miocárdico
vida sem sol
pulso sem luz
pó de torres gêmeas

a palavra é navalha
e está cravada

(Celso Mendes)

Vídeo: Sacra, com Apocalyptica
Imagem: Depth Perception, de Brooke Shaden
Anúncios

Sobre Celso Mendes

escritor? não. alguém que quer ver a palavra emergir a apontar imprevisíveis direções. deixá-la crua ou temperá-la, pouco importa a receita ou o formato, importa ver aonde aponta e onde toca. e ser por ela tocado.

Um comentário em “Sobre o que fere

Seu comentário é bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: