1 comentário

Vestíbulo

Eis o chão conhecido,
a porta de casa,
a chave certa,
as duas voltas completas
e o movimento subsequente
de abertura da maçaneta.

Há ruídos previsíveis;
o aroma do jantar;
o conforto cognitivo do cotidiano;
dos hábitos mecânicos,
repetitivos.

Chove. É noite. Passa das sete…!
Porém faz o tempo
inerente aos vestíbulos,
alheio às variações do clima,
aos horários do relógio de pulso.

Ou então suspenso, detectável,
há um outro momento absurdo,
apenso à contracapa,
de tocaia à hora marcada:
– o provisório entretempos
eternizado nas antessalas.

Enfim esta pequena pausa palatável antevista,
o intermédio das rotinas;
na linguagem gasta de passos sobre o piso xadrez:
a soleira de mármore;
nos batentes de peroba-rosa;
ponto-e-vírgulas do fraseado diário;
além, é claro,
da antiga chapeleira!

Anúncios

Um comentário em “Vestíbulo

  1. Este poema tem cheiro, tem cor, tem vida, e me resgatou lembranças. Inclusive de uma antiga chapeleira.

    Curtido por 1 pessoa

Seu comentário é bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: