Deixe um comentário

A Invenção da Poesia

Dos meus dedos correm tramas, dramas relatados sem emoção. Dos meus lábios saem palavras cruzadas, histórias atrasadas e de repetição, além de estórias da carochinha, contos de fadas e bruxas, dentre outras invenções. Dos meus dedos correm mares inteiros, navios negreiros, navios obreiros.

Dos meus dedos corre a criação do mundo, da realidade mais profunda.

Os meus olhos leem os rabiscos, leem os hieróglifos, e os apócrifos. Meus olhos leem tatuagens, expressões faciais e risos infantis, interpretam a trama, criam o drama e o enchem de enredo e presunções, meu coração palpita, angustia e anseia pelo final. Meus olhos preenchem as lacunas cruzadas de histórias repetidas de pessoas históricas cruzando um mar inglês.

Os meus olhos veem o mar levando embora milhares de sonhos e pesadelos ao fundo, os meus olhos veem as histórias mudando, se desenrolando e alterando o fim. O mote é complexo, os personagens sobressaem, desejam e traem, feito Eva e Adão.

811201281692

Anúncios

Seu comentário é bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: