Deixe um comentário

The Searchers (Rastros de Ódio)

Capa da 1ª edição

Capa da 1ª edição

A Guerra Civil terminou e alguns Texicans¹ estão à beira do deserto, tentando proteger a sua vida de pioneiros (vista como o início da civilização), no meio do terror das tribos Comanche e Kiowa. Quando um grupo desses pioneiros é atraído para longe de suas casas para encontrar algumas cabeças de gado roubadas, os Comanches promovem um ataque de surpresa à casa do irmão de Amos Edwards, matando sua família, exceto duas filhas, que eles raptam.

O livro traça a busca por Lucy, uma adolescente, e Debbie, uma menina próxima dos dez anos, por seus protagonistas, Amos, que fora apaixonado pela esposa de seu irmão, e Martin Pawley, um jovem de 18 anos, adotado por ele quando teve sua família também massacrada, muitos anos antes. O amor de Amos por Marta, o faz empreender uma missão de resgate, alimentada pelo ódio e pela culpa.

Le May não retrata os índios como selvagens primitivos, mas os descreve como pessoas que enfrentam situações extraordinárias na forma como só eles sabem. O vasto conhecimento do autor sobre tribos é demonstrado na narrativa, o que lhe confere um aspecto muito próximo à realidade.

Ilustração de Noel Sickles

Ilustração de Noel Sickles

A beleza do livro está no detalhe bem-escrito, das inexoráveis dificuldades da viagem, do frio, das nevascas, do trato ao cansaço dos cavalos, das faces embrutescidas e magras, do convívio com a sujeira, dos cheiros, da comida escassa, das descrições da vastidão da terra e das milhas cruzadas, da vida precária nas planícies e do comovente esforço desperdiçado na direção errada.

Quando, finalmente, admitem o fracasso dessa busca, surge uma pista confiável, fazendo-os partir novamente. Ficam, enfim, cara a cara com a garota que eles conheciam como Debbie, mas estão diante de uma, agora, índia Comanche. O fato de ela não querer ir com eles choca Marty. Mas não a Amos, que tenciona, então, matar a menina, uma vez que esta se tornou, aos seus olhos, uma selvagem.

¹um “Texican” era (pré 1836) uma pessoa do Texas (então parte do México), de ascendência não-mexicana. Depois que o Texas se tornou independente e, em seguida, um estado (pós 1836), o termo “Texican” começou a ser usado para uma pessoa de ascendência mexicana no Texas, ou seja, exatamente o oposto.

Autógrafo nas primeiras 800 cópias da 1ª edição

Autógrafo nas primeiras 800 cópias da 1ª edição

Anúncios

Sobre Jarbas Siebiger

Saga: porto-alegrense. Carma: aquariano. Cor: colorado.

Seu comentário é bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: